Facebook Pixel

A importância do seguro para motocicletas

importancia-seguro-para-motocicletas-900x630-1.jpg

Sabemos que, quando comparado aos carros, os riscos de nós motociclistas termos a moto roubada ou furtada no Brasil, infelizmente é bem maior. Seja pela facilidade de furtar uma moto, seu tamanho reduzido podendo ser transportada numa van ou mesmo pela sua constituição, expondo elementos mecânicos e elétricos ou ainda pela violência dos grandes centros, as motocicletas são recorrentemente alvo de bandidos.

Além desse fator, existe ainda a própria dinâmica de pilotagem onde é mais fácil sofrer acidente sobre duas rodas do que sobre quatro rodas. Um deslize de atenção, uma pavimentação ruim ou mesmo um outro condutor ao celular enquanto dirige e um acidente pode ocorrer danificando o equipamento.

Mesmo com todas essas características, segundo as estatísticas, apenas 3% dos motociclistas têm seguro de moto no Brasil, um número bem menor se comparado com a frota de carros segurados, e isso se deve a um fator principal: o preço. Mas afinal, quanto custa um seguro de moto?

De acordo com as seguradoras, a questão determinante para o valor de uma apólice não necessariamente é o valor da moto em si. O que se considera é o risco geral do bem segurado. Segundo as seguradoras, em tese, os motociclistas que possuem motos de baixa cilindradas, por exemplo, pilotam de forma menos segura, rodam muitos KM por dia, se expõe a regiões mais arriscadas de sinistro e possuem menos ou piores equipamentos de segurança embarcados nas motocicletas. Já as de alta cilindrada, desde que não sejam motos esportivas, em tese, possuiriam um risco de seguro menor pois em média, rodam menos e geralmente em locais de menor incidência de sinistros, mas, ainda assim têm outra desvantagem. Como são motos que têm peças mais caras, em caso de sinistro, o custo de reposição já é bem maior. Já as motos esportivas, até pelo tipo de uso esperado do equipamento e a alta probabilidade (infelizmente) de roubo em nossas cidades, tornam os valores desse tipo de motocicleta basicamente proibitivos.

Mas afinal, em termos gerais, ainda que o valor do seguro de moto seja alto, vale a pena ou não o fazer? Existem diversos fatores que devem ser levados em conta quando você for tomar essa decisão. O primeiro é obviamente a viabilidade financeira do proprietário. Se puder pagar por essa proteção e estiver em situações mais expostas, fazendo uso frequente da sua moto, sendo um veículo essencial para seu dia a dia e por exemplo, tem ela financiada, optar pelo seguro seria extremamente importante.

Outra situação, é muitas vezes buscar uma opção alternativa ao seguro tradicional (cobertura compreensiva que cobre todo tipo de eventualidade – o mais comum em carros, por exemplo). Um seguro contra furto e roubo com rastreador que, versus o compreensivo é muito mais barato, pode ser uma opção que proteja do problema crônico da violência em nosso país apesar de deixa-lo com o risco de danos mecânicos provenientes de quedas ou acidentes.

Em todo caso, como em qualquer modalidade de Seguro, os prós e contras e o risco retorno deve ser avaliado, o que o seguro de moto cobre, caso a caso e para cada indivíduo (até pelo perfil do segurado), além de haver a opção de simular seguro de moto. Alguns lidam melhor com a exposição ao risco, outros querem a “paz de espírito” de uma cobertura completa que um seguro garante.

E nesse sentido queremos saber de você. Tem seguro para sua moto? Compartilhe qual a sua experiência, se você acha que vale a pena, sua opinião, se concorda com os pontos expostos nesse post e como faz para proteger o seu bem de qualquer eventualidade.


Deixe um comentário